3 de julho de 2017

abraço

o fantasma que sou
emergiu do lago
tão próximo
que banha
a garganta
remexe suas
águas vulcânicas
onde crostas
da aguardente
petrificam
dissolvem
pensamentos odiosos
abandono
e a pena conquistada
em contemplação
do palco sucessivo
de entulhos e dejetos
re-conhecidos
naturalizados
colocados na
balança e
julgados
- Errado!
o que habita
esse voyeurismo
nada mais é
identificar a
si mesma
perdoar
e silenciar
as águas
agora mornas
na maré
baixa
da boca do gargalo


[ato V] .coleção dos meus pedaços.