18 de junho de 2017

privilégio dos pássaros

retornei a uma memória de infância, em noventa e nove, onde eu gastava as horas por olhar a revoada dos pássaros, que mundo injusto era aquele que me permitia lamentar por isso, e não apenas voar como eles? insistia todos os dias à minha mãe, que respondia que nossos corpos não foram feitos pra isso. primeira lembrança de quando me dei conta que estamos em regime condicional com o mundo material.
agora chove, em dezessete, e há uma graúna em meus ouvidos, mirei pela janela.

não me canso de pensar no privilégio dos pássaros.


[ato III] .coleção dos meus pedaços.