4 de junho de 2017

mal a ninguém

improvável
também digo: egoísta que outros não possam estar junto
quando a gente troca nossas coisas
reformulando todos argumentos
sobre todas aquelas que podem ser vistas
acima do prédio, debaixo de mantas
e aquelas
que dentro da gente, em silêncio, tanta árvore cresce
e muda
pouca palavra, seja miúda
ao contrário dos seus olhos, que muito revela
não quero sair daqui [só um pouquinho, na verdade
pra quando a gente voltar, eu não me guentar
daquilo também...
saudade