17 de dezembro de 2014

Presente pra mim

O fumo.

    Dedos tortos e um tanto esmorecidos anunciam que é chegada a vez. A saliva metálica se dissipa, trazendo a sofreguidão do seco, algoz e rouco. A eutanásia passiva, de quem muito em pescoços emaranha, delira em passados sucessivos amargos.
    Nos vigentes cânticos que de sereia arranca, emudece e umedece os lábios fumacentos, nada falam, nada pedem o colo que tanto (não) precisa.